SEJA BEM-VINDO!!!!

SEJA BEM-VINDO!!!!
Este é um espaço dedicado à estudantes e profissionais de serviço social e também àqueles que tem interesse pelos assuntos sociais do nosso país, que acreditam e contribuem para a efetivação dos direitos de todos os cidadãos!

Seguidores

sábado, 15 de outubro de 2011

Livro Infância, deficiência e violência

Capa de Infância, deficiência e violência
A violência doméstica é um problema mundial que envolve todos os segmentos da população e que pode ser encontrado em todos os grupos sócio-econômicos, religiosos, culturais e étnicos. É reconhecida como um problema social significativo e nos últimos anos tem sido dada uma grande atenção às vítimas de violência doméstica, em especial quando se trata de crianças. No entanto, pouco se sabe acerca da violência com crianças com deficiência. Os maus-tratos com crianças com deficiência podem ser considerados um tabu dentro dum tabu, provavelmente porque a associação entre deficiência e violência é emocionalmente difícil de gerir.

A violência nas famílias de crianças com deficiência é difícil de identificar e prevenir. Existem poucos dados epidemiológicos disponíveis, de forma a ser possível ter uma ideia clara da incidência dos maus-tratos domésticos que envolvem estas crianças. No entanto, a informação disponível indica um maior risco para certos grupos.


Mais do que os danos causados às vítimas, o problema dos maus-tratos tem implicações sociais importantes. A sociedade, como um todo, deve considerar-se responsável pela prevenção da violência a diferentes níveis, desde um nível individual e familiar até a um nível comunitário e institucional. Se isto é verdade para todas as crianças, é especialmente verdade para crianças com deficiência, que de um modo geral são mais vulneráveis. Para alcançar esta responsabilidade partilhada, o peso e a natureza do problema têm que ser identificado, reconhecido e entendido.



O projeto Infância, Deficiência & Violência visa prevenir a violência em famílias de crianças com deficiências, especialmente quando estas são as vítimas.
A rede de organizações para pessoas com deficiência, que promoveram este projecto, reconhece o papel específico e responsabilidade que as asssociações locais e cooperativas sociais têm na detecção, descrição e prevenção deste fenómeno. Esta brochura foi produzida com o apoio da Comissão Europeia, no Âmbito do Programa Daphne.


O objetivo deste livro é aumentar os níveis de consciência relativamente à importância da violência doméstica contra crianças com deficiência. O objetivo principal é informar corretamente o leitor da complexidade dos assuntos abordados, evitando rotular os familiares como criminosos. Vão ser apresentados conceitos importantes e alguma informação sobre violência com crianças com deficiência, sob a forma de definições,
modelos explicativos e indicadores de violência. Finalmente, o livro tem como intenção a promoção da prevenção, fornecendo linhas orientadoras para o desenvolvimento de estratégias de prevenção.



O livro foi produzido em 2004 para paises europeus, a realidade é mais-do-que-presente no Brasil de agora.


Faça download e leia na íntegra neste link.

Unicef: um terço de crianças fora da escola tem algum tipo de deficiência

Menino com deficiência segura lápis com dificuldade enquanto faz um desenho ajoelhado no chão.
Crianças com deficiência estão entre os grupos mais marginalizados da sociedade. A afirmação é parte de um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, apresentado na Assembleia Geral da ONU, nesta quarta-feira.

Segundo o Unicef, a maioria das crianças que tem deficiência não tem acesso à educação e cuidados de saúde, fica sem chances de brincar e adquirir cultura e sofre discriminação como se fossem um “fardo invisível”.

O Fundo da ONU afirmou ainda que ao ter uma deficiência, a criança acaba sendo excluída da sociedade por causa de várias barreiras. Entre elas, a falta de professores treinados, prejuízo, estigmas e incompreensão por parte dos pais, professores e da sociedade.

Menores nesta situação também estão mais propensos à violência, abusos e negligências por parte de adultos e outras crianças.

Apesar de não ter estudos mais precisos sobre os casos de discriminação, o Unicef afirma que muitas crianças não têm acesso a serviços básicos de saúde, como por exemplo vacinas.
Ainda segundo o relatório do Unicef, crianças com deficiência sofrem com preconceito em todos os aspectos. O impacto pode ser desumano para elas fazendo com que direitos básicos sejam negados incluindo o direito à vida.


Fonte: Rádio ONU

Estatuto da Criança e do Adolescente Comentado



O Estatuto da Criança e do Adolescente, comumente chamado de ECA, é a Lei que dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente. Um de seus Artigos: "...Art. 4º - É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.". Ouça o estatuto, baixando os arquivos desta postagem.

Arquivo no formato PDF, com 456 páginas, para você que procurava este conteúdo.


Tamanho do arquivo: 1,23 MB